quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Forever and almost always

«My theory is that when parents get divorced, they're given some kind of a handout. When my parents told me that they were splitting, they told me three things. One, "It's not your fault. "Two, "It's not your fault. "And three, "It's not your faul." Problem is,I don't buy it. No kid does. I've seen the pictures of when you got married. When you were good-looking,and you smiled at each other. Hell, when you even just looked at each other.So what happened between then and now? Me. I... I came along, and I made you tired and cranky and anxious and I made you lose your hair and gain 20 extra pounds and... Somewhere in all of that, I...You stopped loving each other. So I have my own idea for a handout. Next time tell me, "One, happiness is hard. "Two, don't make the same mistakes we did. "And three, okay,so maybe it is your fault a little. "
Do you want me to be honest? You go first
Fame

Não partilho propriamente desta teoria, mas achei que seria uma boa introdução ao tema. Sem grandes rodeios limito-me a dizer que o amor não dura para sempre. De pais para filhos? Nesse eu ainda acredito. Ainda consigo ver os olhos dos pais brilharem de orgulho por um filho ou a tristeza que neles habita quando o perdem e, é a coisa mais bonita do mundo. Mas o amor entre um casal? Esse é agora uma mera idealização, uma espécie de mito... Não nego que haja excepções, mas à velocidade a que hoje em dia as pessoas se divorciam são apenas isso. Podem dizer que é o trabalho, que são os filhos, que é a vida em si que se mete no caminho, mas a verdade é que muitos casamentos têm o seu fim traçado mesmo antes de começarem. Perante tanto negativismo, pergunto-me porque é que as pessoas ainda se casam, o que é que há no casamento que ainda fascina. Pessoalmente, acho que é apenas um desperdício de dinheiro, mas isso sou eu. Não deixo, contudo, de admirar aqueles que o fazem e de desejar bem no meu interior que aquele casamento seja o 1 em 2 que vai durar, que vai de facto atingir a meta. Quando era mais pequena tinha a fantasia de que um casal com um filho era possível separar-se, com dois já não e com três era mesmo impossível. Coisas parvas de miúda, tão parvas que a vida se encarregou de me mostrar na pele o quão ignorante eu era. Agora sei que tudo acontece por uma razão, mas lamento-o todos os dias. Sei que sou alguém amargurado com o exemplo que tive... exemplo esse que ainda é uma ferida aberta.

7 comentários:

  1. Hey, eu não estudo em Londres, estudo em Warwick, que fica a umas duas ou tres horas de Londres. Estou a fazer erasmus =) beijinhe

    ResponderExcluir
  2. Só agora é que vim ler o teu texto, e sabes quem mais, não lhe tiro nem uma virgula. *

    ResponderExcluir
  3. É muito diferente e os primeiros dias foram algo duros, mas esta experiencia esta a fazer de mim uma nova pessoa, garanto-te. Estou a adorar.

    (De nada, sempre às ordens) =)

    ResponderExcluir
  4. Espero não me desiludir. Pelo menos não tem acontecido ao longo destas 6 temporadas.
    Vamos ver como corre esta.

    ResponderExcluir
  5. super... Muito bom o blog parabéns ...
    XD
    a seguir!

    http://hamperingofsilence.blogspot.com/ :)

    já agora estou precisando de desafios alguém me da um? XD

    ResponderExcluir